sexta-feira, outubro 08, 2004

Liberdades

Cada vez que oiço o Fórum TSF fico a pensar que é preciso gostar muito da liberdade de expressão para ter este programa no ar...

Olha quem fala !

O deputado Anacleto disse na Feira Fórum TSF que o Governo tenta obsessivamente controlar a agenda medática.

Nao gosta de concorrência, hum ?

Hail the lord of the spin



Goste-se ou não do Professor Marcelo é indiscutível a sua argúcia e inteligência.

Tudo jogou a seu favor - As declarações de Dan Quayle da Silva, os objectivos empresariais da Media Capital, a crescente oposição dentro do PSD a PSL, o congresso que se aproxima-e ele tirou um máximo partido das oportunidades.

Mas alguém realmente pensa que Marcelo não planeou isto ao milímetro?

Mas alguém verdadeiramente pensa que era possível calar Marcelo se ele não o quisesse?

A izquierda de salón - leia-se Analectos e Chuchialistas - completamente perdida assiste a todo este espectáculo como um boi a olhar para um palácio sem perceber o que se passa gritando freneticamente “É o regresso do fascismo, é o fim da liberdade!”,

Tudo isto não é mais que a arregimentação das hostes laranjas que detestam Santana Lopes e que sonham com um PSD de maioria absoluta livre da dependência do CDS. Um regresso aos bons tempos do cavaquismo. Até Cavaco veio em defesa do Professor!

Agora só falta encontrar um rosto para o congresso. Será que Cristo desce á terra pela terceira vez?

Toda esta energia e vitalidade á direita faz-me ficar esperançado que Sócrates em S. Bento não é tão inevitável como isso.

quinta-feira, outubro 07, 2004

100.000

Número de participantes no Fórum TSF de hoje que disseram: " Isto é preciso um novo 25 de Abril !"

quarta-feira, outubro 06, 2004

O Dan Quayle português



«Ao engenheiro José Sócrates nem sequer podemos aconselhar a pensar. Quando comprou o Powerpoint (programa informático de apresentações) foi única e exclusivamente porque têm de lhe escrever aquilo que ele tem de dizer, porque efectivamente não consegue pensar»

E tu, já compraste o teu Powerpoint ?

terça-feira, outubro 05, 2004

O debate dos vices


Escutas

Transcrição de uma das conversas telefónicas do gabinete do PM (ler poste 1976 do Bloguítica)

Embaixador de um país europeu: Hello ?

Assessor: Boa tarde, Sr. Embaixador, daqui é o assessor do Sr. PM, como vai?

E: Muito bem, obrigado.

A: Sr. Embaixador tenho uma perguntinha para lhe fazer: Sabe se lá na televisão do seu país existe um cha..(hum) um comentador político que fale em directo sobre a situação política sem que ninguém o cale?

E: Bem, provavelmente… sabe que no nosso país existe free speech. Aliás muitos dos nossos órgãos de comunicação social e comentadores têm uma posição política assumida e isso não causa qualquer problema. Temos confiança suficiente na maturidade intelectual dos nossos cidadãos.

A: Pois, pois...Mas, Sr. Embaixador, diga lá então se tem um destes que fala sobre tudo desde a declaração do ministro á receita de pão-de-ló passando pelo desporto, cultura, ciência e tudo o mais que lhe possa lembrar. Ah! E que no final recomende 30 kg de livros...

E: Bem, que corresponda a esse perfil exacto não estou a ver nenhum, mas há um...

A: Pronto, Sr. Embaixador não é preciso dizer mais nada, já sei o queria saber. Muito obrigado e boa tarde.(clique)

A Portuguese definition of bridge for the Anglo Saxons

bridge (from The American Heritage Dictionary of the English Language)

1. A structure spanning and providing passage over a gap or barrier, such as a river or roadway.

2. Something resembling or analogous to this structure in form or function: a land bridge between the continents; a bridge of understanding between two countries.

3a. The upper bony ridge of the human nose. b. The part of a pair of eyeglasses that rests against this ridge.

4. A fixed or removable replacement for one or several but not all of the natural teeth, usually anchored at each end to a natural tooth.

5. Music a. A thin, upright piece of wood in some stringed instruments that supports the strings above the soundboard. b. A transitional passage connecting two subjects or movements.

6. Nautical A crosswise platform or enclosed area above the main deck of a ship from which the ship is controlled.

7. Games a. A long stick with a notched plate at one end, used to steady the cue in billiards. Also called rest.

b. The hand used as a support to steady the cue.

8. Electricity a. Any of various instruments for measuring or comparing the characteristics, such as impedance or inductance, of a conductor. b. An electrical shunt.

9. Chemistry An intramolecular connection that spans atoms or groups of atoms.

10. Portugal (to do a bridge) The action of not working in a Friday or a Monday in order to take advantage of a holiday in a Thursday or Tuesday, respectively. This allows the Portuguese worker to have a mini vacation of 4 days. The bridge is seen as a fundamental right of the Portuguese worker and any government who tries to remove this privilege endangers severely its possibilities of being re-elected.

segunda-feira, outubro 04, 2004

Pois é, FA ,aqui também se trabalha



Köhlbrandbrücke, Freie und Hansestadt Hamburg, Bundesrepublik Deutschland

Gasolina Branca - O efeito Continente

sexta-feira, outubro 01, 2004

No debate for me yesterday

++

= One fun night and one very bad morning

O pior de tudo é que não consigo encontrar Guronsan. Os alemães não têm ressacas ???????

Enfim, já falta pouco....

terça-feira, setembro 28, 2004

O cubano e o presunto

Quando alguém lhe disser que "isso dos charutos cubanos serem únicos é coisa de novo-rico elitista" recomende-lhe os seguintes produtos:

1. Boplaas Cape Vintage Port Reserve, South Africa

2. Champagne Korbel Brut, California, USA

3.Citterio Jamón Serrano, USA

Boas notícias

Hurricanes in Tobacco Country



"Despite the ravages that hurricane Ivan has brought about when passing by Pinar del Río province, particularly by its western end, it has not caused significant damages in the best and large tobacco zone of Cuba," said Habanos S.A., Cuba's cigar exporting company, in a release issued this afternoon. "The next crop will start in normal conditions."

Montecristo Edmundo



Named after Edmundo Dantes, hero of Alexandro Dumas' famous novel "The Count of Montecristo", the Edmundo is the first size to be added to Montecristo's standard range since 1971. It is the second new 52 ring gauge, parejo size to be introduced by Habanos, SA within a year. All Edmundos are tripa larga, totalmente a mano - long filler, totally hand made using medium to full-bodied blend of Vuelta Abajo Tobaccos that deliver the classic, bitter-sweet, tangy flavour that has made Montecristo the world's most popular Havana cigar brand.

sexta-feira, setembro 24, 2004

Festança cinematográfica



É aqui que vou passar os meus próximos dias....

Trio Odemira



Quem irá ganhar ?O Tony Blair da Covilhã, o Hugo Chávez alfacinha ou o Ché Guevara de Coimbra ?

Um é uma espécie de "buffet" de saladas da política, uma Maria vai com todos.

O outro quer nacionalizar a Petrogal, a EDP, e tudo o que tiver á mão de semear.

O último ainda vive no Maio de 68.

Como votar ? Se fosse militante do PS, votava com Um-dó-li-tá....

Ana nim ana não ficas tu, eu não!

quinta-feira, setembro 23, 2004

Not so easy, hum ?

Parece que o problema é que a Compta não soube avaliar a dificuldade da tarefa que tinha de executar.

Ver estes postes do PSA e do Aristarco.

Bons samaritanos

"O PS diz estar disponível para ajudar o Governo a solucionar o problema da colocação de professores." (TSF)

Já foram distribuídos lápis e cadernos de linhas a todos os deputados do grupo parlamentar do PS.

O deputado José Magalhes recusou-se colaborar. Diz que só ajuda de puder usar o seu notebook.

Tempos de antena

Ontem assisti á cobertura da assembleia geral da ONU na CNN (nunca consegui convencer-me a pagar os 3o Euros mensais para ter a RTPi) esperando ansiosamente pelo discurso do PM.

Esperei, Esperei, Esperei, nada! Era só Musharafs e Mbekis…

Então e o PM português? Nem cinco minutos?

Ele até se desmarcou da defesa oficial da guerra da administração Bush ! Já viram a importância geoestratégica desta mudança política em Portugal????

Estes gajos da CNN não percebem nada de política internacional…

quarta-feira, setembro 22, 2004

Somos gajos porreiros, pá!



A situação com a colocação de professores é, na minha opinião, um exemplo óbvio da nova cultura de trabalho em Portugal.

Eu até acredito que a COMPTA tenha profissionais competentes e seja uma empresa que traga valor acrescentado aos seus clientes. No entanto, não se sentiu na obrigação de entregar a tempo e horas um produto para a qual foi contratada.

Porque não? Porque o seu cliente, o Estado, é o primeiro a não cumprir prazos e pagamentos. Como pode o Estado exigir competência dos seus fornecedores, quando é o primeiro que mostra falta dela? Basta ver o que se passou como o Túnel das Amoreiras. É a política do “deixa andar”, não te preocupes “, logo se resolve”, “dá lá um jeitinho”.

Poderíamos pensar que o mesmo não se passaria com um cliente privado e a situação seria diferente. Errado! Infelizmente o mesmo já se passa entre empresa privadas. A atitude empresarial do país tem se vindo a degradar e a mediocridade e a falta de profissionalismo são hoje comuns no sector privado.

E como a Justiça é lenta (salvo algumas excepções como os Tribunais Administrativos que hoje em dia são bastante rápidos nas suas decisões), a parte em falta não se sente pressionada, pois sabe que uma sentença judicial demora anos a ser decidida.

Mas o que é que estou para aqui a dizer? Este estranho conceito de que devíamos ser responsáveis pela qualidade do trabalho que realizamos e pelos compromissos que assumimos não é para nós. E no final de contas, somos gajos porreiros, pá! Paga-se uma jantarada e ficamos todos amigos outra vez!

(desabafo: Why the hell am I going back to Portugal ?)

terça-feira, setembro 21, 2004

Ainda sobre Matosinhos



Parece que só agora é que se descobriu que a Refinaria de Matosinhos se encontra rodeada por casas.

O fenómeno de crescimento urbano á volta de refinarias é comum em todo o mundo.

O que já não tem explicação é querer fechar uma refinaria por causa disso. Hoje em dia os sistemas de segurança industriais permitem reduzir o risco de acidentes num complexo deste tipo a valores negligenciáveis.

Aliás, a maior parte das refinarias foi construída quando não existia nada à volta.

Na maior parte das fábricas europeias a probabilidade de ter um acidente de viação nos arredores é maior do que sofrer um acidente de trabalho dentro do complexo industrial.

É claro que se a refinaria de Matosinhos não cumpre os requisitos de segurança necessários não pode continuar a operar, mas o facto de estar perto de zonas habitacionais não pode ser invocado como o único motivo para o fecho.

Existem muitos exemplos de refinarias circundadas por zonas urbanas. Refiro aqui um que conheço: Shell Nederland Raffinaderij em Pernis, Holanda.

Contrastes



O gabinete da ministra Maria do Carmo Seabra não explicou ainda que erros em concreto se verificaram e não arrisca avançar uma data para a nova publicação das listas de colocação de professores.

O porta-voz do Ministério da Educação, Francisco Mendia, afirma que as falhas detectadas estão a ser corrigidas.

«A empresa que é responsável pelo programa de colocação dos professores voltou a não apresentar uma lista que estivesse em condições. Quando a senhora ministra soube o que se estava a passar, mandou retirar as listas da Internet», explicou.
(TSF)

Meanwhile, in the other side of the world,



India's software exports are on track to grow by 30 percent in the 2004-2005 fiscal year(CNN)

Sala de Musica II

É difícil encontrar hoje em dia boa música na Alemanha. A quantidade de "artistas" criados pelos reality shows é de tal ordem que até já deu origem a um programa intitulado Comeback onde os supostos artistas que caíram no esquecimento tem uma nova chance para atingirem o estrelado.

Os 2raumwohnung - Apartamento T2 em português - são uma agradável excepção.


segunda-feira, setembro 20, 2004

Sem estratégia

A noticia do encerramento da refinaria de Matosinhos, a ser verdade, é mais um exemplo de falta de qualquer estratégia para a indústria nacional.

Entretanto os ambientalistas pulam de alegria, juntamente com as refinarias espanholas. Os trabalhadores vão para rua e a Galp continua num caminho suicida. Depois de perder o petróleo de S. Tomé, os investimentos gasistas (seguindo uma estratégia inversa à de todas as empresas petrolíferas mundiais), a possibilidade de expansão da rede em Espanha, o que mais pode acontecer á Galp ?



Contra a direita fascista e neo-liberal,

O Anacleto, o novo figuardo da blogosfera.

sexta-feira, setembro 17, 2004

Cinema em Hamburgo



Hoje vou ver o filme Der Untergang sobre os últimos dias de Adolf Hitler e do III Reich.

Ouvi dizer que tem um magnifica interpretação de Bruno Ganz no papel de Hitler.

Depois conto como foi.

quinta-feira, setembro 16, 2004

Alhos e bugalhos

Um Halcion para o Vital Moreira

In The Skeptical Environmentalist Bjørn Lomborg challenges widely held beliefs that the global environment is progressively getting worse. Using statistical information from internationally recognized research institutes, Lomborg systematically examines a range of major environmental issues and documents that the global environment has actually improved. He supports his argument with over 2900 footnotes, allowing discerning readers to check his sources.

Para que possa dormir tranquilo.

Haiducii



Depois de um fim de semana em Milão a ouvir Dragostea a noite toda, o raio da música não me sai do ouvido:

Vrei sa pleci dar numa numa iei
Numa numa iei numa numa iei
Chipul tau si dragostea din tei
Miamintesc de ochii tai

No entanto, há que dizer que a ragazza é uma boa artista.....

Gasolina Branca

António Saleiro, presidente da Associação Nacional dos Revendedores de Combustíveis (ANAREC) diz que bombas de gasolina junto aos hipermercados põem em causa a segurança dos portugueses (Via OfficeLounging e Intermitente)

Pois é caro Saleiro! Diariamente milhares de franceses arriscam a sua vida ao irem atestar no Carrefour ou Leclerc.

O verdadeiro problema do António e dos seus muchachos é que se passe algo semelhante ao que se tem acontecido em Franca nos últimos anos:

Actualmente os hipermercados controlam mais de metade do mercado de combustíveis, tendo aumentado significativamente a sua quota de mercado nos últimos dez anos.

A quota de mercado combinada para este grupo era em 2002 cerca de 52%.





Os hipermercados têm algumas vantagens competitivas em relação aos retalhistas tradicionais como o acesso a localizações mais baratas e a possibilidade da inclusão do combustível como parte de uma oferta combinada.

Os volumes vendidos nas estacões de serviço dos hipermercados é cerca do dobro da média nacional francesa. Isto complementado por uma estratégia de marketing com ênfase no value for
money/quality discounting
, coloca os hipermercados numa posição vantajosa para seguir um política de descontos agressiva difícil de seguir peöos retalhitas tradicionais (Shell, TotalFinaELF,Agip, Esso)

No entanto António Saleiro tem razão na questão do preço para o retalhista. A Europa é long em produtos petrolíferos, o que significa que existe mais gasolina e gasóleo disponível no mercado do que é necessário para suprir a procura.

Um distribuidor independente, isto é, sem refinarias, tem a possibilidade de negociar excelentes preços com os refinadores o que lhe dá uma vantagem em relação aos distribuidores das majors que têm de suportar as margens de refinação.

No entanto, se descontarmos o efeito do custo do produto, vemos que as margens de retalho na Franca são mais baixas que a média Europeia. Este factor permite que conjuntamente com a política de descontos, a França tenha preços mais baixos que a média europeia.



Em conclusão, a entrada dos hipermercados no mercado de combustíveis é altamente desejável, pois beneficia os consumidores e obriga os retalhistas tradicionais a tornarem-se mais competitivos.

quarta-feira, setembro 15, 2004

Maria Liberal

Cara Sara e Gabriel , pouco a pouco eles começam a blasfemar:

"E se a nossa conta da revisão do automóvel diminuísse substancialmente? Eis o que pode acontecer se a proposta agora aprovada em Bruxelas chegar a ver a luz do dia e atingir o seu objectivo que é o da relativa liberalização do mercado das peças sobresselentes (spare parts). "
Maria Manuel Leitão Marques, Causa Nossa

É interessante que este caso é citado por Martin Wolf, chief economics commentator do Financial Times no seu livro "Why Globalization Works" como um dos exemplos em que a UE ainda adopta um posição proteccionista prejudicando simultaneamente os consumidores e os países em vias de desenvolvimento.